Se há uma coisa que aprendemos em 2015, é que até os modelos precisam de um empurrãozinho

Em 2015, o equilíbrio entre vida e passarela começou a mudar. As pessoas começaram a se preocupar mais com as próprias modelos do que com os programas que elas andavam: onde elas estavam de férias? O que eles fazem nas horas vagas? O que suas vidas pareciam fora de posar bonita? E como se viu, os avanços das modelos não foram apenas para a passarela. Graças às redes sociais, aprendemos muito sobre suas vidas fora do trabalho. Talvez eles gostassem de fotografia de filme. Talvez eles estejam cultivando um verdadeiro talento vocal. Ou talvez eles coletassem ossos e os montassem em colares! Tudo era possível - e tudo era muito revigorante. Veja aqui porque 2015 foi o ano da agitação lateral do modelo.


  • raposa lida
  • Natasha Poly
  • Ana Cristina