À procura de Cruzo: redescobrindo o artista goês Antonio Piedade da Cruz

Ele já foi o brinde da cosmopolita Bombaim e seu cenário artístico. Uma nova exposição redescobre o falecido artista goês Antonio Piedade da Cruz.

Antonio Piedade da Cruz, Goan artist Antonio Piedade da Cruz, Dattaraj Salgaocar, Wassily Kandinsky, Paul Klee, Piet Mondrian, Marc Chagall, Pablo Picasso and Georges BracqueO regresso a casa: António Piedade da Cruz no seu atelier nos anos 1950.

Em 2013, quando o industrial goês Dattaraj Salgaocar adquiriu um conjunto de 16 obras do falecido artista goês Antonio Piedade da Cruz, sabia que tinha um tesouro nas mãos. As obras estavam dentro, esquecidas, no então chamado Cruzo Studio no estádio Brabourne de Mumbai. Durante os anos de abandono, as pinturas também foram submetidas às vicissitudes da umidade da cidade e à infeliz atenção dos pombos. No entanto, sob a sujeira de décadas, podia ser discernido o gênio de um artista, também conhecido como Cruzo ou D’Cruz, que já foi o brinde da cosmopolita Bombaim e prosperou no centro da vida intelectual e cultural da cidade.



O primeiro movimento de Salgaocar foi contratar os serviços do conservador e restaurador de pinturas a óleo de Mumbai, Kayan Marshall Pandole. O passo seguinte foi procurar o poeta, curador e teórico cultural Ranjit Hoskote para fazer a curadoria de uma exposição em homenagem à Cruz e ao seu regresso a casa.



Apesar da posição de destaque que já ocupou na arte indiana, da Cruz, que morreu em 1982, há muito foi esquecido por uma nação que celebra um estreito cânone de modernistas indianos. As entradas da enciclopédia têm poucas informações, e os registros dos anos de estudante de Da Cruz em Berlim foram destruídos durante a Segunda Guerra Mundial. A fim de trazer este artista celebrado de volta à proeminência pública, Hoskote juntou o que pôde a partir de relatos contemporâneos, as próprias anotações do artista em seu trabalho, bem como contribuições do filho de da Cruz, Ivan, que generosamente compartilhou fotos de seu pai no trabalho. O que emerge de ‘The Quest for Cruzo’ - que está em exibição no Centro de Artes Sunaparanta-Goa de Panaji até 20 de julho - não é necessariamente uma imagem completa do artista.



No entanto, apresenta um retrato complexo de um homem e sugere suas muitas facetas. Vemos da Cruz como alguém que buscou a arte tanto como uma atividade comercial quanto como um meio de expressar sua angústia em relação a uma ordem social e política em colapso; um artista que não só se inspirou fortemente no imaginário católico de sua infância em Goa governada por portugueses, mas também criou um novo idioma artístico com o qual retratar a nova esperança de redenção da nação.

diferentes tipos de pequenos pássaros

***



cruzo1_759Trabalho de Antonio Piedade da Cruz intitulado Jesus Speaks to People.

Nascido em 1895 em Velim, Salcette, em Goa governada por portugueses, a formação artística de da Cruz começou na Sir JJ School of Art, Bombay, seguida pela Akademie der Künste (Academia de Artes) em Berlim. Ele foi um dos primeiros asiáticos a ser aceito como aluno ali, e se tornou um Meisterschuler ou aluno de mestrado. Foi quando começou a fazer retratos, acabando por realizar uma exposição, que recebeu muitos elogios da imprensa alemã. Viaja com as suas obras a Paris e Madrid e, em Lisboa, recebe recepção real. Suas viagens pela Europa durante a revolução cultural dos anos entre as guerras também colocaram da Cruz em contato com pensamentos e tendências emergentes, como o expressionismo, particularmente na Alemanha de Weimar, os movimentos dadá e surrealista, bem como as obras de mudança de paradigma de artistas como como Wassily Kandinsky, Paul Klee, Piet Mondrian, Marc Chagall, Pablo Picasso e Georges Bracque.



Esses anos na Europa provavelmente atuaram como um catalisador que moldou as preocupações políticas e sociais de Da Cruz. Este foi um período em que o continente, recém saído da Primeira Guerra Mundial, estava caindo em mais um pesadelo de turbulência econômica e política, que levaria ao surgimento de regimes fascistas em toda a Europa e mergulharia o mundo em outro conflito mais calamitoso. Diante dessas realidades, da Cruz, apesar de Portugal o reivindicar como um dos seus, optou por se identificar como um súdito colonial da Índia. Como assinala Hoskote, o desafio de da Cruz é significativo, sobretudo quando visto no contexto das políticas progressistas da Primeira República Portuguesa (1910-1926), que conferiu plenos direitos de cidadania a todos os súditos coloniais do Império Português. O regime fascista que foi inaugurado com um golpe militar em 1926 e que acabou por levar ao estabelecimento da ditadura de Salazar, foi muito menos tolerante com a afirmação de da Cruz da sua identidade indígena, resultando no retorno do artista a Goa apenas após a libertação do estado em 1961.

Foi assim que, quando da Cruz voltou para a Índia no final dos anos 1920, optou por se estabelecer em Bombaim, uma cidade que valorizava sua educação e experiência europeia e, assim, proporcionou-lhe oportunidades profissionais suficientes para sustentar uma próspera prática artística. . É aqui que se pode ver o início do que Hoskote descreve como a vida dupla do artista.



pequena árvore com flores vermelhas

Por um lado, era um artista de salão de sucesso, cuja clientela incluía personalidades como Maharaja Hari Singh da Caxemira, Lord Brabourne, Governador de Bombaim, o industrial Sir Cowasjee Jehangir e sua esposa Lady Jehangir, e o último vice-rei da Índia, Lord Mountbatten e sua esposa, Lady Mountbatten. Mas ele também era um artista com inclinações anticoloniais, cujo estúdio - antes um marco na Stadium House perto de Churchgate - se tornou um centro para artistas, escritores e ativistas. Durante o movimento de libertação de Goa, o Estúdio Cruzo foi também um refúgio para aqueles que resistiam ao regime de Salazar.



abeto norueguês vs abeto branco

Muitos dos trabalhos de da Cruz refletem sua solidariedade, com peças como After the 15th of August: The Wound, The Tears, The Blood and The Robbery. A condenação das rupturas sociais é estilizada, mas a teatralidade das obras não diminui a angústia que o artista claramente sentiu.

A esperança de Da Cruz por uma ordem social melhor e mais justa pode ser vista no ciclo de obras que ele fez sobre Gandhi, que ele via como um redentor, uma figura heróica semelhante a Cristo para uma nação secular recentemente independente. O próprio Cristo é uma figura recorrente, frequentemente inserida em um contexto indianizado - seja aparecendo como ele mesmo em Jesus fala ao povo, seja quando sua presença é indicada por meio de gestos e símbolos, como na composição de Madonna e Criança de Vinde a mim.



***



cruzo2_759Antonio Piedade da Cruz a partir de 15 de agosto.

Um passeio pelas galerias de Sunaparanta em Goa, que expõe a obra de da Cruz, mostra-nos um artista que era tão forte nas suas convicções e habilidoso com o seu pincel. Mas uma das chaves para entender sua vida está no autorretrato enigmático, Between, que o artista fez na década de 1940. A pintura mostra o artista vestindo o que parece ser um jaleco de médico e segurando uma paleta manchada de tinta.

Segurando em seu braço direito está a figura de uma mulher vestida de enfermeira e, do outro lado, um esqueleto segurando um violino. No ensaio do catálogo que acompanha 'The Quest for Cruzo', Hoskote escreve, eu gosto de pensar nisso como um autorretrato com pretendentes rivais ... à sua direita [está] uma enfermeira e, à sua esquerda, um esqueleto vivo com um violino segurando seu ombro com uma mão ossuda. A enfermeira é vida, ou amor, ou inspiração, ou estase? O esqueleto é Morte ou Arte? A sanidade ossifica ou a arte é fatal? Esta pintura nos suspende em um estado de paradoxo.



Da Cruz não oferece respostas fáceis - talvez porque não existiam, e é inteiramente certo que ele deveria ter deixado a escolha da interpretação para os espectadores desta obra. Para reaproveitar o que o escritor Henry James disse certa vez sobre suas histórias, se o artista desse uma explicação, a obra ficaria mais pobre, porque explicações alternativas seriam deixadas de fora.



Podemos nunca saber todos os fatos sobre a vida de da Cruz, mas enquanto sua arte permanecer disponível para nós, as possibilidades de compreendê-lo e sua obra permanecem infinitas.

quantas variedades de batatas