A suplementação de ferro ajuda a melhorar a mortalidade em 'bebês azuis' e adultos: estudo

De acordo com o estudo, isso terá um grande impacto na redução da morbidade e mortalidade em crianças e adultos que sofrem de doenças cardíacas congênitas cianóticas.

O regulador de Kerala considera que três medicamentos são de qualidade inferiorA pesquisa conduzida pelo Dr. Sabari Krishnan, sob a orientação do Professor Yash Paul Sharma, Chefe do Departamento de Cardiologia, Centro Cardíaco Avançado e PGIMER, também foi apresentada na conferência da Cardiology Society of India (CSI) realizada em Mumbai recentemente. (Fonte: Getty Images / Thinkstock)

SUPLEMENTAÇÃO DE FERRO tem ajudado a melhorar a mortalidade em bebês azuis e adultos com diagnóstico de cardiopatia congênita cianótica, concluiu um estudo inédito conduzido pelo departamento de cardiologia da PGI. Esta doença causa baixos níveis de oxigênio no sangue e a pele, os dedos e os lábios dos pacientes ficam com uma coloração azulada.

De acordo com o estudo, isso terá um grande impacto na redução da morbidade e mortalidade em crianças e adultos que sofrem de doenças cardíacas congênitas cianóticas.



A pesquisa conduzida pelo Dr. Sabari Krishnan, sob a orientação do Professor Yash Paul Sharma, Chefe do Departamento de Cardiologia, Centro Cardíaco Avançado e PGIMER, também foi apresentada na conferência da Cardiology Society of India (CSI) realizada em Mumbai recentemente.



O Dr. Sharma disse ao Chandigarh Newsline, Worldwide, que existe uma teoria de que tais ‘bebês azuis’ ou adultos não deveriam receber ferro, pois já o têm em excesso. Basicamente, é o primeiro estudo que vai mudar a percepção dos profissionais de que os pacientes azuis (cianóticos) estão sobrecarregados de ferro. Nossa pesquisa provou que dar ferro a eles, seja oral ou intravenoso, melhorou bastante o nível de oxigênio no sangue e, portanto, o resultado funcional.

Nesses pacientes, há uma grande falta de ar e eles não podem caminhar distâncias maiores, como se em dois minutos de caminhada, eles sentirão fadiga e falta de ar. Eles também estão sujeitos a acidentes vasculares cerebrais. Mas, após o estudo, descobriu-se que esses pacientes também podiam andar por mais de seis minutos após receberem a suplementação de ferro.



Até 28 crianças agudas e adultos com doença cardíaca cianótica foram estudados. Eles também foram obrigados a fazer o teste de caminhada de seis minutos.

Entre esses 28 pacientes, havia 15 homens (53,6%) e 13 mulheres (46,4%). A deficiência de ferro foi encontrada em 21,4% dos pacientes e eles foram tratados com ferro IV. O restante dos pacientes foi tratado com ferro oral. Os pacientes apresentaram melhora significativa nos valores de hemoglobina, hematócrito, SpO2 em repouso, ferritina sérica e distância caminhada de 6 minutos em um período de três meses, constatou a pesquisa.

Nenhuma reação alérgica foi observada durante a infusão intravenosa de ferro. Tanto o ferro oral quanto o IV podem ser usados ​​para o tratamento da anemia por deficiência de ferro em pacientes com doença cardíaca cianótica. Entre o ferro oral e IV, o ferro IV é o melhor para o tratamento da deficiência de ferro.



A deficiência de ferro na doença cardíaca cianótica é um fator de risco para acidente vascular cerebral, abscesso cerebral, derrame, hrombose no pulmão e outros órgãos. Portanto, a deficiência de ferro está associada a resultados adversos em pacientes com doença cardíaca cianótica, acrescentou o professor Yashpaul.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.