Através do espelho

As escritoras Urvashi Butalia e Ritu Menon, fundadoras da primeira editora feminista da Índia, inauguraram a quarta edição da série LILA PRISM na quinta-feira na CII, Delhi.

Ritu Menon (centro) com Urvashi Butalia (direita) (Fonte: Foto expressa de Monica Dawar)Ritu Menon (centro) com Urvashi Butalia (direita) (Fonte: Foto expressa de Monica Dawar)

A quarta edição da série anual de palestras ‘LILA PRISM’ começou com uma conversa entre Urvashi Butalia e Ritu Menon, fundadoras da primeira editora feminista da Índia.

No conto de Mahasweta Devi, A Ama de leite, a protagonista Jashoda assume a maternidade profissional quando seu marido brâmane perde os pés. Por 25 anos, ela é a nutridora de uma sociedade patriarcal e, finalmente, falece após lutar contra o câncer de mama. Truth Tales (Kali for Women, Rs 2.262) foi uma das primeiras a publicar a história traduzida de Devi, que reunia as demandas vazias de uma sociedade dominada por homens, o martírio óbvio de uma mulher que é a ama de leite por uma geração, e a verdade inerente de como todos os homens têm pés de barro.



Os escritores Urvashi Butalia e Ritu Menon, fundadores da primeira editora feminista da Índia, Kali for Women, inauguraram a quarta edição da série LILA PRISM na quinta-feira no India Habitat Centre, Delhi. Organizada pela Fundação LILA para Iniciativas Translocais, esta série anual terá 13 praticantes da construção de instituições alternativas falando sobre seu trabalho - variando de arte e design a festivais de artesanato e literatura.



Se 1984 ficou na memória popular como uma época de violência, desencadeada pelo assassinato da então Primeira-Ministra Indira Gandhi, foi também a época do otimismo, em que vários movimentos, tanto feministas como nacionalistas, se encontravam. Foi quando Kali’s Women entrou no mundo editorial com a visão de colocar a escrita feminina no centro das atenções. Foi o poder de gyarah. Ek aur ek tinha dois anos, mas também poderia ser gyarah, diz Menon, 66. Fomos parte desse pensamento, que poderíamos efetuar mudanças, acrescenta ela. Butalia concorda, éramos uma espécie de ponte entre os movimentos femininos e o movimento de estudos femininos, que nenhuma outra editora teria permitido ou habilitado.

Embora Butalia e Menon tenham mudado após duas décadas em 2003 para começar Zubaan e Women Unlimited, respectivamente, o tempo que passaram em Kali os viu publicar de tudo, desde panfletos a teses de doutorado. Rizio Yohannan Raj, fundador e diretor executivo da organização, falou sobre como a narrativa política orgânica deu à sua prática uma forma sensível e não homogeneizada, que não era rígida, mas meditativa em um formato renovável.



O nosso foi um teste de como o feminismo pode ser vivido com as realidades ao seu redor, como você cria um espaço de trabalho feminista, como você cria um sistema igualitário, cria uma instituição diferente, diz Butalia, de 64 anos. A necessidade de experimentar uma multiplicidade de vozes levou a várias publicações, desde um título em hindi Sharir ki Jaankaari (O conhecimento do corpo), de autoria de 75 mulheres rurais do Rajastão, ao livro da eco-feminista Vandana Shiva, Staying Alive, que ela chama o livro de Kali para No Woman's Land, histórias de mulheres de três países - Índia, Paquistão e Bangladesh - sobre os horrores da partição. Eles não apenas garantiram que metade da raça humana tivesse uma voz, que até então estava silenciada na história, mas também levaram muitos jovens escritores, especialmente na Índia rural, a contar suas histórias. É essa busca pelo desconhecido que fez do Kali for Women uma inspiração.

A palestra sobre Mulheres de Kali: Trinta Anos de Publicação e Contagem Feminista, por Ritu Menon e Urvashi Butalia, será realizada em 23 de agosto às 18h30 no Centro Internacional da Índia (CII).