A amamentação pode aumentar o QI em bebês, dizem os cientistas

O estudo foi publicado no The Journal of Pediatrics.

Os pesquisadores utilizaram um conjunto de dados nacional que acompanhou 7.500 mães e seus filhos desde o nascimento até os cinco anos de idade.Os pesquisadores utilizaram um conjunto de dados nacional que acompanhou 7.500 mães e seus filhos desde o nascimento até os cinco anos de idade.

Crianças que são amamentadas têm pontuação mais alta nos testes de QI e melhor desempenho na escola, dizem os cientistas.

Um novo estudo realizado por sociólogos da Brigham Young University aponta duas habilidades parentais como a verdadeira fonte desse impulso cognitivo: responder às dicas emocionais das crianças e ler para crianças a partir dos 9 meses de idade.



As mães que amamentam tendem a fazer ambas as coisas, disse o autor do estudo, Ben Gibbs.



É realmente a paternidade que faz a diferença, disse Gibbs.

A amamentação é importante de outras maneiras, mas isso realmente nos dá um mecanismo melhor e pode moldar nossa confiança sobre as intervenções que promovem a prontidão para a escola, disse Gibbs.



diferentes tipos de bordo vermelho

De acordo com a análise, as melhorias na sensibilidade a pistas emocionais e tempo de leitura para crianças podem render 2-3 meses de desenvolvimento do cérebro aos 4 anos (conforme medido por avaliações matemáticas e de prontidão para leitura).

Como se trata de crianças de quatro anos, um mês ou dois representam um período não trivial de tempo, disse Gibbs.

E se uma criança está à beira de precisar de educação especial, mesmo um pequeno impulso em alguma linha de elegibilidade pode moldar a trajetória educacional de uma criança, disse Gibbs.



Os pesquisadores utilizaram um conjunto de dados nacional que acompanhou 7.500 mães e seus filhos desde o nascimento até os cinco anos de idade.

O conjunto de dados é rico em informações sobre o ambiente doméstico, incluindo quão cedo e com que frequência os pais lêem para os filhos.

Além disso, cada uma das mães do estudo também participou de atividades gravadas em vídeo com seus filhos.



Enquanto a criança tentava completar uma tarefa desafiadora, o apoio e a sensibilidade da mãe às pistas emocionais de seu filho foram medidos.

Sandra Jacobson, da Escola de Medicina da Wayne State University, observou que as crianças do estudo que foram amamentadas por 6 meses ou mais tiveram o melhor desempenho nas avaliações de leitura porque também experimentaram as melhores práticas parentais.

Gibbs e Forste descobriram que ler para um bebê todos os dias desde os 9 meses de idade e a sensibilidade aos sinais da criança durante as interações sociais, ao invés da amamentação em si, foram preditores significativos da prontidão para leitura aos 4 anos, disse Jacobson.



O estudo foi publicado no The Journal of Pediatrics.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.