Fleabag: a insuportável leveza da irmandade

Enraizado em relacionamentos debilitantes está o vínculo compartilhado por Fleabag e Claire. Mas é a disfuncionalidade, muitas vezes considerada o princípio fundamental e aceito da irmandade, que torna o relacionamento mais funcional.

Fleabag está transmitindo no Amazon Prime. (Fonte: Amazon Prime)

Eu te amo, mas não tenho certeza se gosto de você o tempo todo, o pai de Fleabag diz a ela, no que provavelmente é a conversa mais íntima em ambas as temporadas. As palavras-disse com indiferença marcada-poderia ter machucado, mas não o fazem. A protagonista parece surpresa, não magoada: o brilho em seus olhos diz que ela já ouviu isso antes, o sorriso irônico revela que ela, talvez, até mesmo perversamente goste disso.

O protagonista homônimo em Saco de pulgas (escrito e dirigido porPhoebe Waller-Bridge) - em grande parte sem tato, curiosamente viciada em sexo e em roubar coisas, propensa a interromper jantares familiares e relacionamentos - não é fácil de amar. Ela é tão mordaz quanto autodenegrante, tão impenitente quanto cheia de remorso.



pequena aranha marrom com listra branca nas costas

A série de seis partes da BBC - com sua segunda e última temporada transmitida no Prime no momento - através dos olhos de seu protagonista apresenta um retrato íntimo de uma família britânica disfuncional e Fleabag - com sua rebelião não provocada - aparece como o produto do insidioso emocional falência correndo entre os membros (seu pai, morando com a madrinha, sente-se culpado por não poder estar ao lado de suas filhas e também luta com a necessidade de suas filhas se orgulharem dele, sua irmã Claire está presa a um marido alcoólatra, e ele, por sua vez, tenta beijar Fleabag no aniversário de sua esposa).



Enraizado nesses relacionamentos debilitantes está o vínculo compartilhado por Fleabag e Claire, não menos disfuncional do que o resto. Mas é precisamente essa disfuncionalidade, muitas vezes considerada o princípio fundamental e aceito da irmandade, que torna o relacionamento mais funcional.

Irmãs são irmãs. Não amigos



Fleabag e Claire não são amigos. Eles não deveriam ser. Como Claire nos lembra, elas são irmãs: seu relacionamento não se baseia na escolha, mas na compulsão. Eles não são almas gêmeas, mas são compelidos a forjar parentesco sobre suas diferenças. Na superfície, eles existem como contrapartes antitéticas: Claire prospera em assumir o controle de si mesma e dos outros (ela até organiza sua própria festa surpresa de aniversário), tem orgulho de ter sua vida planejada para si mesma do jeito que ela deseja que seja, e, ao contrário da irmã falida (n), possui dois diplomas, um marido e um casaco Burberry.

O singleton sem nome então fica no canto mais distante do espectro ocupado por Claire, obtendo prazer em espalhar as rédeas de sua vida que sua irmã luta para segurar, embora com mãos trêmulas. Claire, usando a imprudência do Fleabag como um conto de advertência, se apega ao amor e à vida enquanto esta tenta fugir deles e tenta escrever sua história com uma tinta diferente. Como resultado, Claire tem um trabalho invejável e um marido que a ama. Fleabag tem um amigo morto e um café com tema de cobaia que está lutando para se manter à tona. Claire está assustada com a impetuosidade do Fleabag. Ela está até secretamente com ciúmes disso.

Vínculo enraizado na história compartilhada



E, no entanto, o vínculo deles pressupõe uma certa familiaridade inexplicável que tanto define como facilita as arestas. Difere em textura da facilidade de uma amizade, mas tem suas raízes na história compartilhada. A intimidade, cuidadosamente escondida, é semelhante ao top de Claire, Fleabag, sem o conhecimento de sua irmã, tinha usado na palestra feminista: o sobretudo pode estar escondendo, mas ainda ameaça espiar pelas franjas.Bem no início do show, em um momento marcante da palestra, quando questionadas se alguém dos presentes trocaria cinco anos de sua vida por um corpo perfeito, são as irmãs que levantam as mãos. O momento pode exigir correção política, mas a franqueza profundamente enraizada, tão intrínseca ao relacionamento deles, não permite isso.

O vínculo deles é então filtrado menos em admiração mútua e mais em reconhecimento dos vícios um do outro, dando origem a um amor que é ao mesmo tempo trabalhado e inato, informado e incondicional. A familiaridade cansada de tal vínculo sabe quando dói, sabe também quando machuca de volta.

Eco desse amor paradoxal- que tem um pé cada um em apatia e ternura - é evocado no filme do Paquistão de 2018 Bolo (streaming no Netflix) e ilustrado na relação volátil de Zara (Sanam Saeed) e Zareen (Aamina Sheikh).A súbita doença de seu pai leva a um reencontro apressado das irmãs, mas conforme o drama doméstico avança, rachaduras em seu relacionamento começam a aparecer, questões de responsabilidade ressurgem e, finalmente, é feita uma distinção sutil entre gostar de uma irmã e amá-la. Em um momento carregado de mágoa e segredos, Zareen não só revela o motivo que impeliu Zara a sair de casa e seu amor para trás apressadamente, dez anos atrás, mas também compartilha os muitos (des) passos que ela deu para garantir que nada segura a irmã dela.



A cena se destaca não apenas como um lembrete oportuno de como as irmãs podem ferir-se intimamente, mas também, como elas negligenciam e examinam os defeitos umas das outras. Zareen tinha sido o guardião do segredo de sua irmã por todos esses anos, amando-a apesar do que ela tinha feito, e em uma cena impressionante que se segue a isso, ela-exibindo um tipo de bondade irracional peculiar apenas às irmãs-razões pelas quais ela nunca disse a Zara tudo isso antes. Você não teria sido capaz de suportá-lo. Zareen podia estar lutando para gostar de sua irmã, mas seu amor era firme.

O relacionamento de Fleabag e Claire, assim como eles, não gira em torno da promessa de enfrentar tragédias juntos, mas tendo transacionado e testemunhado algumas, estando um ao lado do outro. À medida que navegamos pelo terreno de seu relacionamento tumultuado até a segunda temporada, seu vínculo é aprofundado e fortalecido.

Começa com um jantar em família, e as irmãs admitem não se conhecerem há um ano. A intimidade logo se insinua. Fleabag, a única a perceber que sua irmã está ausente da mesa há muito tempo, vai ao banheiro, procurando por ela. Claire? Você já faz muito tempo. Você está chateado ou fazendo cocô? ela pergunta, assumindo as duas alternativas com as quais está muito familiarizada. Ao ver sangue, Fleabag conjectura que sua irmã está menstruada apenas para ser corrigida de que é um aborto espontâneo.



Os dois voltam mais tarde à mesa: Fleabag horrorizado e Claire fingindo um ato de alegria. A primeira logo interrompe a festa como só ela pode, anunciando ao mundo que houve um aborto, mas também alegando ser dela. Esse desvio não só dá a Claire tempo para processar a tragédia silenciosamente, mas, em um momento surpreendente, revela que o quebrantamento privado e escancarado das irmãs curiosamente se parecem. Apesar de suas diferenças aparentes, a tragédia de uma se encaixa na tragédia de outra, perfeitamente: Fleabag estava de luto, assim como Claire estava, por uma perda prematura.

A pungência de seu relacionamento é ainda mais reconhecida no final angustiante. No final da segunda temporada, as duas irmãs estão presas em questões do coração, lutando visceralmente contra si mesmas para sair ilesas. Torcemos por Fleabag, que vira raízes para Claire. É o perpétuo-transgressor, Fleabag que merecia um fim de aeroporto, era ela quem deveria atrapalhar o casamento (é até mesmo avisada, bastante avisada, por sua madrinha para não fazer cena), mas é Claire quem deixa o casamento no meio do caminho. Claire, correndo para perseguir seu amor no aeroporto, é um lembrete encantador de como os truques pelos quais as irmãs mais novas são frequentemente repreendidas são, na verdade, absorvidos pelas mais velhas.

Irmãs em uma equipe

como é uma árvore dogwood?

No entanto, é no final da primeira temporada que ambos rompem seus laços e dão um testemunho despretensioso e primitivo de sua irmandade. Posta entre a disfuncionalidade de sua família, Fleabag nos escolhe entre os demais, ao invés de sua irmã até para confidenciar e confrontar. Ela ganha nossa confiança e encontramos uma confidente. Seu controle disperso de sua vida convida a uma identificação mais pessoal do que a vida imaculadamente planejada de sua irmã. Sua gritante diferença com a tensa e bela Claire nos assegura nossa convicção até que os captemos em um momento privado.

Fleabag poderia estar de luto pela morte de seu amigo, Boo, mas ela também foi responsável por sua morte. Nós não sabíamos disso, Claire sabia. É justamente nesse momento que Fleabag se difamilar diante de nossos olhos: ela se transforma de uma amiga angustiada em uma adulta imprudente, e nossa fé nela vacila. Estamos magoados, não porque ela acabou se revelando defeituosa, mas porque ela nos enganou fazendo-nos acreditar que estávamos cientes de todos os seus defeitos. Era Claire quem estava ciente deles, e estava disposta a ajudar sua irmã falida apesar disso.

Claire estava protegendo Fleabag de nosso julgamento, enquanto pensávamos que estávamos protegendo nosso protagonista quebrado dos olhos críticos de Claire. Eram as irmãs que faziam parte do mesmo time, não nós.