Veneno de vespa oferece esperança contra doenças pulmonares

Em um estudo com camundongos, a equipe reaproveitou uma toxina normalmente encontrada em Polybia paulista - uma vespa sul-americana - para criar variantes do peptídeo que são potentes contra bactérias, mas não tóxicas para células humanas.

câncer de pulmão, cura para câncer de pulmão, causas de câncer de pulmão, câncer de pulmão de veneno de vespa, expresso indiano, novo expresso indianoO estudo descobriu que seu peptídeo mais forte poderia eliminar completamente a Pseudomonas aeruginosa - uma cepa de bactéria que causa infecções do trato respiratório e urinário e é resistente à maioria dos antibióticos. (Fonte: Arquivo de Foto)

Os engenheiros do MIT desenvolveram novos peptídeos antimicrobianos, que podem combater bactérias que causam infecções respiratórias e outras, com base em um peptídeo natural produzido por uma vespa sul-americana. O veneno de insetos como vespas e abelhas está cheio de compostos que podem matar bactérias. Infelizmente, muitos desses compostos também são tóxicos para os humanos, tornando impossível seu uso como antibióticos.

No entanto, em um estudo com camundongos, a equipe reaproveitou uma toxina normalmente encontrada em Polybia paulista - uma vespa sul-americana - para criar variantes do peptídeo que são potentes contra bactérias, mas não tóxicas para células humanas.



Eles descobriram que seu peptídeo mais forte poderia eliminar completamente a Pseudomonas aeruginosa - uma cepa de bactéria que causa infecções do trato respiratório e urinário e é resistente à maioria dos antibióticos.



Transformamos uma molécula tóxica em uma molécula viável para o tratamento de infecções, disse Cesar de la Fuente-Nunez, pesquisador de pós-doutorado do MIT. Ao analisar sistematicamente a estrutura e função desses peptídeos, fomos capazes de ajustar suas propriedades e atividade, acrescentou Fuente-Nunez.

O peptídeo, relatado no jornal Nature Communications Biology, é pequeno o suficiente - apenas 12 aminoácidos - que os pesquisadores acreditaram que seria viável criar algumas variantes do peptídeo e testá-las para ver se elas poderiam se tornar mais potentes contra micróbios e menos prejudiciais aos humanos. A equipe testou os peptídeos contra sete cepas de bactérias e duas de fungos, permitindo correlacionar sua estrutura e propriedades físico-químicas com sua potência antimicrobiana.



Para medir a toxicidade dos peptídeos, os pesquisadores os expuseram a células renais embrionárias humanas cultivadas em uma placa de laboratório. Em ratos infectados com Pseudomonas aeruginosa, a equipe descobriu que vários dos peptídeos podem reduzir a infecção e eliminá-la completamente. Depois de quatro dias, esse composto pode limpar completamente a infecção, e isso foi bastante surpreendente e emocionante porque normalmente não vemos isso com outros antimicrobianos experimentais ou outros antibióticos que testamos no passado com este modelo de camundongo específico, Fuente- Nunez notou.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.