A ingestão de açúcar na gravidez aumenta a alergia e o risco de asma no bebê

Os pesquisadores controlaram fatores como características maternas, fatores sociais e outros aspectos da dieta materna, incluindo alimentos e nutrientes que foram previamente associados à asma e alergia infantil.

notícias sobre gravidez, notícias sobre saúde, notícias sobre estilo de vida, notícias sobre o expresso indiano(Fonte: Arquivo de Foto)

A alta ingestão de açúcar durante a gravidez pode aumentar o risco de alergia e asma no bebê, concluiu um estudo. Embora algumas pesquisas tenham relatado uma associação entre um alto consumo de bebidas contendo açúcar e asma em crianças, a relação entre a ingestão materna de açúcar durante a gravidez e alergia e asma na prole foi pouco estudada. Pesquisadores da University of Bristol e Queen Mary University of London (QMUL), no Reino Unido, coletaram dados de quase 9.000 mães grávidas no início da década de 1990 e de seus filhos.

O estudo, publicado no European Respiratory Journal, analisou associações entre a ingestão materna de açúcares livres na gravidez e alergia e asma aos sete anos de idade.



plantas e animais encontrados na floresta tropical

A alergia foi definida como testes cutâneos positivos a alérgenos comuns, a saber, ácaros, gato e grama.



Embora houvesse apenas evidências fracas de uma ligação entre a ingestão de açúcar grátis na gravidez e a asma em geral, havia fortes associações positivas com alergia e asma alérgica juntas.

Ao comparar 20 por cento das mães com maior ingestão de açúcar versus 20 por cento das mães com menor ingestão de açúcar, houve um risco aumentado de 38 por cento de alergia na prole (73 por cento para alergia a dois ou mais alérgenos) e 101 por cento para asma alérgica.



Não podemos dizer com base nessas observações que uma alta ingestão de açúcar pelas mães durante a gravidez está definitivamente causando alergia e asma alérgica em seus filhos, disse o professor Seif Shaheen da QMUL.

No entanto, dado o consumo extremamente alto de açúcar no Ocidente, certamente estaremos investigando essa hipótese com alguma urgência.

A equipe especula que as associações podem ser explicadas por uma alta ingestão materna de frutose, causando uma resposta imune alérgica pós-natal persistente, levando à inflamação alérgica no pulmão em desenvolvimento.



Os pesquisadores controlaram fatores como características maternas, fatores sociais e outros aspectos da dieta materna, incluindo alimentos e nutrientes que foram previamente associados à asma e alergia infantil.

Descobriu-se que a ingestão de açúcar livre da prole na primeira infância não tinha associação com os resultados vistos na análise.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.