O palco é meu espaço de protesto: Sahib Singh em sua nova peça sobre questões femininas

A nova peça de Sahib Singh, Vagina Talks, levanta muitas questões contundentes.

vagina fala, jogo no patriarcado, Sahib SinghSahib Singh com a filha Mallika Singh. (Foto Jaipal Singh)

Sociedade, política, história, mitologia ... tudo é contra a mulher. E suas repercussões são para que todos vejam e sintam nestes tempos, visto que os casos e incidentes de estupro, assédio sexual contra mulheres, tiveram um aumento doloroso e alarmante. Como escritor e diretor de teatro, o palco é meu espaço de protesto, mostrando o quadro real e questionando o status quo, o que tentei fazer em minha nova peça, diz Sahib Singh, sobre sua nova peça Vagina Talks.

Singh é o diretor de Adakar Manch, Mohali, e suas peças são conhecidas por levantar questões e preocupações de hoje. Ele acredita que os artistas podem criar mudanças e fazer a diferença, por menor que seja. Vagina Talks surgiu de muitas reflexões e negociações internas. Se não acreditássemos, não haveria mudança. Precisamos começar de algum lugar e decidi iniciar diálogos sobre gênero, sexualidade, violência e patriarcado por meio de algo contundente, que é um novo esforço no teatro Punjabi, diz Singh.



Para Vagina Talks, Singh tira referências de nossa história, mitologia e sociedade moderna para questionar as noções de patriarcado, dominação dos homens e um espaço desigual que é dado à mulher. No Mahabharata, Draupadi é vista como a razão ou culpada por trás da guerra, enquanto a travessia de Sita pelo laxman rekha foi o passo mais importante para uma decisão individual. Certo ou errado, foi uma decisão. Mas nunca olhamos ou entendemos seu lado. Aqui e agora, seja o caso hediondo de estupro de Delhi, meninas sendo estupradas e assassinadas, o caso mais recente de um médico veterinário baseado em Hyderabad, que foi estuprado e queimado, como sociedade estamos retrocedendo, com cultura feudal e pensamento regressivo processos que nos cercam. Esta peça se esforça para falar dessas questões, com honestidade, ousadia e clareza. Por quanto tempo vamos continuar empurrando as coisas para debaixo do tapete e não questionar, reflete Singh.



A peça, que está em Punjabi, tem canções de Paul Kaur e poesia de Simran Aks, com Raza Heer cantando ao vivo enquanto a música é composta por Atul e Sarang Sharma. O título da peça vem da filosofia de Singh de que a vagina é um órgão, não é sagrada nem apenas um órgão reprodutor. Quando o tratamos como uma máquina e não como parte do corpo humano, desrespeitamos e é aí que se cria a desigualdade, diz ele. Momentos de intimidade, diz Singh, são piedosos, e o consentimento de um homem e de uma mulher para ficarem juntos é fundamental. A amizade entre um homem e uma mulher é integral e a mudança deve começar em casa, onde meninos e meninas são incentivados a conversar, compartilhar e respeitar uns aos outros como indivíduos, onde todos os pontos de vista são respeitados e há espaço para o diálogo, não um monólogo. Por que um homem deve ser dono de alguém, por que deve haver um jogo de poder, é a mente e não o corpo que deve tomar as decisões, diz ele.

Singh acrescenta que é uma peça sensível, com a qual ele espera viajar. Sua filha Mallika está no papel principal. É uma apresentação solo da jovem de 23 anos, que se formou em belas artes pela Delhi College of Art e faz teatro com seu pai há muitos anos. A peça é baseada na ideologia do nosso grupo, algo em que todos acreditamos. Estamos dizendo algo importante, valioso e com responsabilidade, diz Singh.



Ele diz que a ideia de ter a filha nesse papel foi para enfatizar que é preciso ter conversas abertas e não apreensões. Se eu, como pai, posso ter essa conversa com minha filha, que foi criada como pessoa, por que você não pode? Discutimos as muitas dimensões e camadas da produção por meio de discussões e estou muito feliz com a forma sensível e poderosa com que ela foi capaz de dar vida à ideia. Este é o momento de construir confiança, moldar o futuro de nossos filhos com princípios sólidos e crescer juntos, diz Singh.