Os melhores músicos de Mumbai se reúnem para tocar os maiores sucessos da Broadway, com um leve toque

A ideia é pegar músicas populares conhecidas da maioria dos amantes da música ocidental e dar-lhes um toque de jazz.

flauta, flautista, rajeev raja, mumbai, músicos, jazz, música, jazz, concerto, notícias de estilo de vida, notícias de arte e cultura, notícias do expresso indianoFlautist Rajeev Raja

Rajeev Raja está se preparando para servir sua recompensa anual em Mumbai. O ex-executivo de publicidade é conhecido no cenário musical da cidade como um flautista talentoso e, todos os anos, desde 2014, ele reúne alguns dos melhores músicos de Mumbai para uma noite de jazz, e não da maneira que a maioria das pessoas esperaria. Há quatro anos, o Centro Nacional de Artes Cênicas (NCPA) me abordou porque queria promover o jazz. Na Índia, é um gênero consumido principalmente por aficionados e é bastante nicho. Então, fiz a curadoria de um show para eles, que visava promover jazz para o ouvinte leigo; Chamamos a série de ‘Jazzificação’. A ideia é pegar músicas populares conhecidas da maioria dos amantes da música ocidental e dar-lhes um toque de jazz. É também uma chance de ver como alguns dos melhores músicos de jazz da Índia estão interpretando e improvisando música ao vivo, diz Raja, que é cofundador da BrandMusqiq, uma agência que cria logotipos musicais ou MOGOS️ que atuam como uma melodia exclusiva para diferentes marcas. No domingo, Raja e seu co-arranjador, Rahul Wadhwani, conduzirão uma banda de oito integrantes que apresentará alguns dos maiores sucessos da Broadway, um pouco animados.

A primeira edição da série Jazzification apresentou clássicos do rock como Light my fire do The Doors e Stairway to heaven do Led Zeppelin. Tocamos com um grande conjunto, uma seção de sopros e teclas. Quando o público ouve aquele swing, aquela batida sincopada, é quando eles percebem que estão obtendo uma visão de como o jazz funciona e soa, diz Raja. A primeira tentativa foi um sucesso tão retumbante que a NCPA solicitou uma segunda edição. No ano seguinte, Raja exibiu a música dos Beatles para uma casa cheia, e a série tornou-se um evento anual. Tivemos que criar conceitos, então em nosso terceiro ano fizemos ‘Jazz vai para o cinema’, apresentando temas de filmes renomados - O Poderoso Chefão, O Bom, O Mau e O Feio e a Chuva Roxa. O show do ano passado foi chamado de ‘Jazz Beyond Borders’, e tocamos músicas de diferentes países. Também apimentamos cada apresentação com anedotas sobre as melodias. Por exemplo, poucas pessoas sabem que Dave Brubeck veio para a Índia e se encontrou com jogadores de tabla. Foi aí que ele pegou os ritmos cíclicos - seu maior sucesso, Take five, é composto em um metro 5/4, é uma fórmula de compasso estranha que se afastou do tempo 4/4 padrão, diz Raja.



Este ano junta-se a ele um grupo heterogéneo de músicos talentosos - Karl Peters (baixo), Adil Manuel (guitarra), Bosco Monsorate (trompete), Nakul Mehta (saxofone tenor), Jarryd Rodrigues (saxofone alto), Aron Nyiro (bateria), e Wadhwani (teclas / piano). Quando você olha para musicais, muito depende das letras. Com este set list, escolhemos músicas em que a melodia era forte o suficiente para brilhar em uma apresentação instrumental. Por exemplo, não chore pela minha Argentina de Evita, é uma balada lenta mas nossa versão é mais animada, parecida com o samba. Fizemos isso sem perder a alma da música. Esse é o desafio, mas também é a diversão de fazer a série, diz Raja.



O evento acontecerá no Teatro Tata, NCPA, no dia 5 de maio, às 19h.