The Marginal Men

A aldeia na notável coleção de histórias do escritor paquistanês Ali Akbar Natiq é um lugar violento, implacável e extremamente real.

O que você vai dar por esta beleza?
Ali Akbar Natiq
Traduzido por Ali Madeeh Hashmi
Pinguim
217 páginas
Rs 399

Este pequeno volume de histórias está enraizado na exuberante e abundante terra do Punjab rural do Paquistão. Aqui, a vida das pessoas é governada pelo capricho da natureza e pela crueldade dos homens. E enquanto pirs e maulvis aparecem página após página, este é um universo sem Deus, impulsionado pela ganância, luxúria e formas tortuosas de poder. O autor Ali Akbar Natiq nos conta essas histórias em prosa nada sentimental, sem ornamentos, mas nunca com ritmo. Cada história leva implacavelmente à violência ou ao desespero, ou a ambos.



In medias res estão as pessoas, desenhadas com mão segura de artesão. Jeera, o trovador e contador de histórias, é um dos muitos personagens que vive à margem da vida da aldeia (‘O Retorno de Jeera’). Ninguém se lembra de quem são seus pais ou de onde ele desaparece por seis meses. Mas ele é amado por sua inteligência e boa vontade, e pelo mar de histórias que traz para a aldeia, fábulas e histórias que reúnem multidões três vezes e as mantêm fascinadas. Tal poder sempre perturba aqueles que o exercem, e com certeza, a punição alegre de Jeera sobre Pir Moday Shah não fica impune.



Na verdade, excêntricos e párias, os homens marginais de uma sociedade feudal são os protagonistas de muitas dessas histórias. Baba, o Relógio com Um Olho, é o único barbeiro da aldeia que odeia as crianças, que o detestam em troca ('O Menino'), mas cuja morte solitária traz uma estranha melancolia. Achoo, o Acrobata, na história com o mesmo nome, deixa de ser a inveja dos mais brilhantes colegas de classe a um humilde objeto de caridade. Em ambas as histórias, é a narrativa em primeira pessoa que revela o reforço lento, seguro, mas problemático da hierarquia.

A aldeia desta obra existe em uma tensão: entre o motim e a obediência, entre personagens ferozmente individualistas e a reação violenta da sociedade. Outros como Ghafoor, o idiota (‘Jodhpur’s End’), e Nooray, o filho de uma prostituta (‘Desespero’), vivem suas vidas inteiras em abjeta rendição, até que um momento de violência sangrenta traz a libertação. Esse momento não é elaborado, nem glorificado pelos olhos fixos do autor. Simplesmente existe.



Antes de ganhar fama como um escritor talentoso, Natiq era um pedreiro em Okara, construindo mesquitas e minaretes, e continuando sua educação em particular. Ele deixou a vila e foi para Islamabad em busca de sua vida como escritor, mas aquela vila não deixou sua ficção. Ele nos atrai para seu trabalho com a gangorra afiada das conversas ouvidas nos cantos das aldeias e limpa o teste de autenticidade de Gibbons (por que não há camelos no Alcorão?), Não desperdiçando muitas linhas na descrição.

Sua crítica e irreverência para com a religião e seus supervisores é aparente em histórias como 'O retorno de Jeera', 'O milagre de Maulvi' e 'A mão do maçom'. A última é uma história que tira muito de sua própria vida. Ashgar é um pedreiro que decide ir à Arábia Saudita em busca de melhores perspectivas. Naquela terra antiga e sagrada, ele visita os lugares que há muito reverencia, mas sua busca por uma vida honesta termina em violência indizível - sancionada pela Sharia. Esta é uma terra que foi abandonada por qualquer poder de bênção.

Esta coleção notável é uma adição valiosa ao cânone de contos em urdu, com ecos de Manto e Premchand. Não pode ser facilmente fixado em posições ideológicas. Sua fidelidade é para com as pessoas sobre as quais Natiq escreve, a violência com que vivem e as paixões ferozes que os movem. No melhor da obra, 'Qaim Deen', um homem se torna representante do arco trágico da vida humana - um herói de sua comunidade, Qaim Deen é espancado pelo destino, abandonado pelo seu próprio e é deixado à espera de uma libertação que não virá.