Luzes LED podem ajudar a tratar a doença de Alzheimer

Os tratamentos com luz fornecem benefícios adicionais - menos medicação é necessária do que outros tratamentos com drogas e há menos efeitos colaterais.

Blue_LED_and_ReflectionOs tratamentos induzidos por luz usando fotossensibilizadores orgânicos têm vantagens para gerenciar o tratamento no tempo e na área. (Fonte: Wikipedia)

Os pesquisadores usaram luzes LED azuis para prevenir eficazmente o acúmulo de uma proteína conhecida por causar a doença de Alzheimer, um avanço que pode abrir caminho para tratamentos induzidos por luz para doenças neurodegenerativas.

função sépala na flor

Cientistas do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia (KAIST) e do Instituto de Pesquisa de Biociências e Biotecnologia da Coreia conduziram uma pesquisa para suprimir uma montagem anormal de beta-amilóides, uma proteína comumente encontrada no cérebro, usando porfirinas fotoexcitadas. As placas beta-amilóides são conhecidas por causar a doença de Alzheimer. A descoberta sugere novas maneiras de tratar doenças neurodegenerativas, incluindo a doença de Alzheimer.



Os tratamentos induzidos por luz usando fotossensibilizadores orgânicos têm vantagens para gerenciar o tratamento no tempo e na área. No caso de tratamentos de câncer, os médicos usam terapias fotodinâmicas em que um paciente é injetado com um fotossensibilizador orgânico e uma luz é lançada sobre a lesão do paciente. No entanto, essas terapias nunca foram empregadas para tratar doenças neurodegenerativas.



A doença de Alzheimer começa quando uma proteína chamada beta-amilóide é criada e depositada no cérebro de um paciente. A proteína anormalmente dobrada criada dessa forma prejudica as células cerebrais, induzindo a degradação das funções cerebrais, por exemplo, demência. Se a criação de beta-amilóide puder ser suprimida em um estágio inicial, a formação de depósitos de amilóide será interrompida. Isso pode prevenir a doença de Alzheimer ou interromper seu progresso.

A equipe de pesquisa preveniu efetivamente o acúmulo de beta-amilóides usando luzes LED azuis e um indutor de porfirina, que é um composto orgânico biocompatível. Ao absorver a energia da luz, um fotossensibilizador como a porfirina atinge o estado de excitação. O oxigênio ativo é criado conforme a porfirina retorna ao seu estado fundamental. O oxigênio ativo oxida um monômero beta-amilóide e, ao se combinar com ele, perturba sua montagem. A técnica foi testada em drosófilas ou moscas-das-frutas, produzidas para modelar o Alzheimer em invertebrados.



A pesquisa mostrou que os sintomas da doença de Alzheimer nas moscas da fruta, como danos nas sinapses e nos músculos, apoptose neuronal, degradação da motilidade e diminuição da longevidade, foram aliviados. Os tratamentos com luz fornecem benefícios adicionais - menos medicação é necessária do que outros tratamentos com drogas e há menos efeitos colaterais. Quando desenvolvida, a terapia fotodinâmica será amplamente utilizada por esse motivo.

Este trabalho é significativo, pois foi o primeiro caso a usar luz e fotossensibilizadores para parar os depósitos de beta-amilóides, disse Chan Beum Park do Departamento de Ciência e Engenharia de Materiais da KAIST. O estudo foi publicado na revista Angewandte Chemie.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.