Como sobreviver a amizade (s) em tempos de cancelamento da cultura?

Lutar em amizade é o mesmo que lutar por ela. É inevitável, é imperativo.

dia da amizade, cultura de cancelamento do dia da amizade, ensaio do dia da amizade, amizade na cultura de cancelamento, amizade, cultura de cancelamento da amizade, Indian Express, Indian Express NewsCancelar cultura vai contra a própria natureza da amizade. (Fonte: Arquivo de Foto)

Como toda história, todo relacionamento termina de maneira diferente. E como toda história, todo relacionamento é definido por seu final. Pode-se perder contato e deriva. Pode-se lutar amargamente e romper os laços, sabendo que não há mais nada para salvar. Ou, pode-se, depois de lutar amargamente, reconciliar-se. Mas em um momento em que a maioria das conversas acontece na tela do celular, uma discussão é reduzida principalmente a uma réplica furiosamente digitada no Twitter e o barulho alto de uma porta fechada às pressas ecoa no bloqueio rápido depois disso. O escapismo intencional surgiu como adversário imprevisto do confronto, anulando qualquer possibilidade de resgate ou término de vínculo. Ele não apenas garante que a porta permaneça fechada, mas também ensurdece o som de batidas ou pedidos para abri-la. Essa recusa obstinada em se envolver e reconhecer a presença de outra pessoa conhecida como a 'cultura do cancelamento' provou ser eficaz para desviar o rosto de artistas que nos desapontaram, até mesmo invalidar os trolls que nos incomodam. Mas, concomitantemente, também tirou uma parte essencial daquelas relações que construímos em reuniões cuidadosamente planejadas e segredos compartilhados - a necessidade de lutar por isso. A vítima mais frequente e gravemente afetada sendo a (s) amizade (s).

Um relacionamento romântico raramente termina, ele morre. As pessoas saem ou são deixadas para trás. Alguns se apaixonam. Nesses casos, agarrá-lo apenas agrava a dor e talvez até a amargura. A cessação completa dos laços pode ser o primeiro passo para a cura. 'Cancelar' pode curar. Mas nas amizades as promessas extraídas diferem, assim como o final imaginado. A ideia não é acabar juntos, mas ficar ao lado de seu amigo e testemunhá-lo terminando com alguém que ama: a fundação baseada não na esperança de um futuro compartilhado, mas em alcançar uns aos outros quando essa esperança parece estar acabando Fora. Luta-se não para provar que está certo, mas para admitir que cada um estava certo a seu modo. Então, lutar em amizade é semelhante a lutar por ela, uma tentativa disfarçada de manter laços. É inevitável, imperativo. A cultura prevalente do cancelamento - com sua atração por uma solução fácil na forma de uma possível prevenção de qualquer conflito - vai contra sua própria natureza.



O conceito é desconcertante e muitas vezes me pergunto como programas e histórias que celebram amizades, lembradas por sua representação disso, teriam terminado se fossem postulados nesta cultura do cancelamento. O que me vem à mente com mais frequência é Sex and The City, uma série de seis temporadas envolvente e bastante agradável sobre quatro mulheres (Carrie, Miranda, Samantha e Charlotte) na cidade de Nova York, cada uma atolada em suas próprias dificuldades pessoais e cada uma segurando a outra para navegar por elas. Existem vários momentos comoventes destacando seu vínculo, mas o show envelheceu bem por levar em conta suas personalidades díspares, abrindo espaço para eles discordarem, se decepcionarem e se decepcionarem um com o outro.



A atração infalível de Carrie por Mr Big e a desaprovação de seus amigos é um tema recorrente na série. Mas há uma cena particular que assume mais relevância quando re-assistida com as lentes hiperconscientes de hoje. Carrie (Sarah Jessica Parker) e Miranda (Cynthia Nixon) estão em um brechó quando a primeira, após alguma hesitação, conta como planeja se encontrar com Big mais tarde. O arco narrativo da cena - um amigo preocupado alertando o outro e depois atacando desamparadamente - é repetitivo, muito familiar. Mas é o argumento subsequente que o torna memorável. O que você vai fazer Miranda? Você vai me isolar de sua vida como fez com Steve? Carrie pergunta, antecipando-se à cultura do cancelamento, mas não como uma ameaça presumida, mas como uma afronta bizarra. Carrie, ao se machucar, tenta se machucar de volta. A cena chega a uma conclusão adequada com a reação que provoca em Miranda - um incrédulo O quê! Sua descrença alegrou Carrie de forma perversa.

A série pode ter terminado com Carrie e Big terminando juntos, mas é a imagem das quatro garotas - suas cabeças ligeiramente inclinadas e rindo sem se importar com o mundo - que permanece uma lembrança duradoura disso. Esse é o final de que nos lembramos. Talvez, eles também.



A imagem das quatro garotas - com as cabeças ligeiramente inclinadas e rindo sem se importar com o mundo - continua sendo uma lembrança duradoura da série. (Fonte: Arquivo de Foto)

Resoluções na ficção é uma proposição mais fácil. Eles não são procurados, eles são fabricados. As coisas na vida real, envolvendo pessoas reais, correm o risco de ficar incrivelmente bagunçadas. Mas isso também torna a amizade real, as mãos dadas em momentos de necessidade, tangíveis. Dificilmente poderia haver um incentivo mais convincente para lutar mais por isso. Escrevo isto olhando para trás, em uma tarde comum neste mês de abril, quando um amigo veio falar com notável urgência. Você acha que eu deveria mandar uma mensagem para ela? ela perguntou, timidamente. A ‘ela’ em questão era sua amiga de faculdade com quem ela havia trocado palavras indelicadas alguns meses atrás. O bloqueio nas redes sociais ocorreu de ambas as extremidades. O cancelamento havia acontecido. Não tenho certeza do que desencadeou sua introspecção repentina, mas lá estava ela pronta para dar outra chance à sua amizade. Mais tarde, ela ligou para informar que afinal havia enviado uma mensagem e que eles haviam se reconciliado. Estava longe de ser digno. Mais palavras indelicadas foram trocadas naquela tarde, mas em meio ao discurso mútuo - sem deliberação ou intenção - a familiaridade se espalhou.

Sempre se pode argumentar que nem todas as amizades valem a pena lutar. O contra-argumento esperado e não menos pertinente permanece - alguns o são. E, nesses casos, um cancelamento irreverente pode obliterar a esperança quando ainda existe alguma, causar uma fissura prematura. O truque talvez seja lembrar por qual vale a pena lutar e por qual não, para qual abrir a porta depois de uma discussão e em qual travar. A amizade, como qualquer outro relacionamento, é definida pelo seu fim. Todas as histórias não terminam e não devem terminar da mesma maneira. Da mesma forma, todas as amizades que ameaçam se desfazer não devem ser canceladas indiscriminadamente.