Como a nutrição e a dieta podem influenciar doenças autoimunes

Nosso sistema imunológico nos protege de várias doenças.

Ishi khosla é um ex-nutricionista sênior da Escorts. Ela dirige o Centro de Aconselhamento Dietético e também administra uma loja de alimentos saudáveis. Ela sente que para um bem-estar completo, deve-se integrar a saúde física, mental e espiritual. Segundo ela: Ser saudável deve ser o objetivo final de todos.



arbustos floridos para a frente da casa

Nosso sistema imunológico nos protege de várias doenças. No entanto, às vezes ele se extingue e ataca o próprio corpo, levando à destruição de tecidos e doenças degenerativas conhecidas como doenças auto-imunes.



As doenças autoimunes incluem esclerose múltipla, sarcoidose, diabetes mellitus tipo 1, lúpus, artrite reumatóide, esclerodermia, doença de Graves, tireoidite crônica, doença celíaca e doença de Crohn. Problemas autoimunes têm uma forte predisposição genética, mas os gatilhos podem incluir sol excessivo, infecções, drogas ou outras condições - como gravidez - que estressam o corpo.



Se a dieta influencia a autoimunidade tem sido o assunto de muitos debates não resolvidos. Curiosamente, evidências crescentes indicam um papel da dieta na prevenção, retardamento ou reversão da expressão de doenças autoimunes geneticamente determinadas.

Como o intestino é um importante local de muitas interações complexas que controlam a imunidade, ele é a maior interface entre um indivíduo e seu ambiente e, portanto, fornece a maior exposição para microrganismos construtores de imunidade e exposição a toxinas e alérgenos. Reforçando o velho ditado, somos o que comemos. Isso sugere um papel importante dos probióticos e pré-bióticos na autoimunidade. Os cientistas exploraram o papel da suplementação pré-biótica e probiótica em crianças pequenas para promover bactérias boas e concluíram que eram benéficas na prevenção do eczema. No entanto, os efeitos no tratamento do eczema foram menos convincentes.



As dietas maternas durante a gravidez e a amamentação também influenciam os processos autoimunes. A amamentação também surge como um fator potencialmente protetor para prevenção de alergias e doença celíaca.



Nos últimos anos, as evidências têm apoiado um papel importante para fatores dietéticos específicos, incluindo vitamina D, vitamina A, selênio, zinco, ácidos graxos ômega-3, probióticos, glutamina (um aminoácido) e flavonóis (produtos químicos vegetais que protegem contra doenças) em influenciar doenças auto-imunes. Curiosamente, a deficiência de vitamina D agora tem sido associada ao aumento da autoimunidade e aumento da suscetibilidade a infecções. Associações entre vitamina D e doenças autoimunes foram confirmadas na esclerose múltipla (EM) e na artrite reumatóide (AR).

Estudos recentes também indicam que a vitamina A é um imunorregulador potente e pode ser fundamental na prevenção da inflamação intestinal e da autoimunidade.



tipos de plantas de aloe vera

A modificação dietética mostrou seu maior efeito benéfico quando iniciada antes ou imediatamente após o início da doença. A ingestão de alimentos ideal, mas equilibrada, mantém um crescimento saudável e uma vida útil livre de doenças.



O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.