Comer pêssegos pode retardar o crescimento e a disseminação do câncer de mama

Os pêssegos têm compostos que podem ser um novo acréscimo às terapias que reduzem o risco de metástases, o principal fator de morte no câncer de mama e outros.

Dois a três pêssegos por dia podem ajudar a retardar o câncer de mama. (Thinkstock)Dois a três pêssegos por dia podem ajudar a retardar o câncer de mama. (Thinkstock)

Os compostos do pêssego podem inibir o crescimento das células do câncer de mama e sua capacidade de se espalhar, descobriram os cientistas.

Pesquisadores da Washington State University e da Texas A&M disseram que os compostos podem ser uma nova adição às terapias que reduzem o risco de metástase, o principal fator de morte no câncer de mama e em muitos outros cânceres.

Os compostos podem ser administrados como um extrato ou, a julgar pelas doses administradas aos camundongos no estudo, de dois a três pêssegos por dia.



Eu faria três pêssegos por dia, disse Giuliana Noratto, professora assistente de ciência de alimentos da WSU.

O estudo também ressalta o valor de uma boa nutrição na prevenção do câncer, disse ela.

Tendo frutas e vegetais suficientes que podem fornecer esses compostos em nossa dieta, podemos ter um efeito preventivo semelhante, disse Noratto.

Em 2009, Noratto e seus colegas da Texas A&M publicaram um estudo mostrando que os extratos de pêssego e ameixa suprimiam as células do câncer de mama cultivadas em placas de Petri.

Para o novo estudo, os pesquisadores implantaram células de câncer de mama sob a pele de camundongos. A técnica, chamada de xenoenxerto, costuma ser usada para observar o crescimento das células do câncer de mama em um animal vivo, imitando as interações pelas quais os tumores se formam e progridem.

Depois de dar às células uma semana para se estabelecerem, os pesquisadores alimentaram os ratos com doses variadas de polifenóis de pêssego, compostos que ajudam as plantas a evitar os efeitos nocivos da radiação ultravioleta do sol.

Existem vários estudos mostrando que esses compostos atuam como antioxidantes e, portanto, podem proteger o DNA contra danos que podem produzir câncer, disse Noratto.

Outros pesquisadores viram o fenômeno, disse Noratto, mas ela e seus colegas queriam saber se os compostos poderiam iniciar uma cascata de sinais que poderiam induzir as células cancerosas ao suicídio.

Nós nem pensamos em metástase naquela época. A surpresa foi que analisamos os pulmões e, além do fato de os compostos do pêssego inibirem o crescimento do tumor, também inibiram os níveis de metástase nos pulmões, disse Noratto.

como é a aparência de um arbusto lilás?

Além disso, após 12 dias, os pesquisadores viram que os ratos alimentados com altos níveis de polifenóis tinham tumores que cresciam menos e sem grande formação de vasos sanguíneos que podem ajudar as células cancerosas a se espalharem para outras partes do corpo.

Os tumores nesses ratos também tinham menos evidências de enzimas envolvidas na propagação e invasão do câncer.

As doses dadas aos ratos, se aumentadas para uma pessoa de 60 kg, poderiam ser fornecidas por dois a três pêssegos por dia ou um suplemento dietético de pó de extrato de polifenol de pêssego.

O estudo foi publicado no Journal of Nutritional Biochemistry.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.