Não passe o sal - a OMS emite referências para o teor de sódio nos alimentos

Os novos parâmetros de referência da OMS, para 64 categorias de alimentos e bebidas, visam orientar as autoridades de saúde em seus 194 estados membros nas negociações com a indústria de alimentos e bebidas.

A polícia disse que, quando testou o sal, ele era de qualidade barata. (Foto de arquivo / representacional)

O excesso de sal em alimentos e bebidas está colocando as pessoas em maior risco de doenças cardíacas potencialmente fatais e derrames, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) na quarta-feira, divulgando novas diretrizes para limitar o teor de sódio.

Estima-se que 11 milhões de mortes em todo o mundo estão associadas a uma dieta pobre a cada ano, incluindo 3 milhões atribuíveis à alta ingestão de sódio, disse em um relatório. Em muitos países ricos, e cada vez mais em nações de baixa renda, uma proporção significativa de sódio na dieta vem de alimentos industrializados como pão, cereais, carnes processadas e laticínios, incluindo queijo, disse a OMS.



árvores em forma de guarda-chuva para paisagismo

Cloreto de sódio é o nome químico do sal e o sódio é um mineral que regula a quantidade de água no corpo.



As autoridades devem estabelecer políticas para reduzir a ingestão de sal e fornecer às pessoas informações para fazer as escolhas alimentares certas, disse o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Também precisamos que a indústria de alimentos e bebidas reduza os níveis de sódio em alimentos processados, disse Tedros em um comunicado.



Os novos parâmetros de referência da OMS, para 64 categorias de alimentos e bebidas, visam orientar as autoridades de saúde em seus 194 estados membros nas negociações com a indústria de alimentos e bebidas.

Por exemplo, batatas fritas devem conter no máximo 500 mg de sódio por porção de 100 g, tortas e doces até 120 mg e carnes processadas até 360 mg, de acordo com seus benchmarks.

lagarta listrada de amarelo branco e preto

A ingestão excessiva de sódio na dieta aumenta a pressão arterial e, consequentemente, aumenta o risco de doenças cardiovasculares, disse a OMS.



As doenças cardiovasculares são a principal causa de mortes por doenças não transmissíveis em todo o mundo, responsáveis ​​por 32% de todas as mortes, disse a OMS. A alta ingestão de sódio está associada à obesidade, doença renal crônica e câncer gástrico. A OMS recomenda que as pessoas consumam menos de 5g de sal (ou menos de 2g de sódio) por dia.

Sua meta global, definida em 2013, é de uma redução de 30% no consumo médio de sal pela população até 2025, disse, acrescentando: O mundo não está no caminho para atingir essa meta.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.