O nível de cafeína no sangue pode predizer a doença de Parkinson

A maneira como seu corpo metaboliza sua xícara de café todas as manhãs pode determinar suas chances de desenvolver a doença de Parkinson, de acordo com um estudo.

café, tratamento com café, cuidados com a pele, café para a pele, esfoliação, hidratante para a pele, máscara para olhos de café, expresso indiano, notícias expresso indianoA doença de Parkinson é difícil de diagnosticar, especialmente nos estágios iniciais. (Fonte: Arquivo de Foto)

As descobertas mostraram que pessoas com doença de Parkinson tinham níveis significativamente mais baixos de cafeína no sangue do que pessoas sem a doença, mesmo que consumissem a mesma quantidade de cafeína. Assim, testar o nível de cafeína no sangue pode fornecer uma maneira simples de auxiliar no diagnóstico da doença de Parkinson, disseram os pesquisadores.

Estudos anteriores mostraram uma ligação entre a cafeína e um menor risco de desenvolver a doença de Parkinson, mas não sabemos muito sobre como a cafeína se metaboliza nas pessoas com a doença, disse Shinji Saiki, MD da Escola de Medicina da Universidade Juntendo, em Tóquio.



Se esses resultados puderem ser confirmados, eles apontariam para um teste fácil para o diagnóstico precoce de Parkinson, possivelmente mesmo antes do aparecimento dos sintomas, acrescentou David G. Munoz, MD, da Universidade de Toronto. Isso é importante porque a doença de Parkinson é difícil de diagnosticar, especialmente nos estágios iniciais, observou Munoz.



Para o estudo, publicado na revista Neurology, a equipe envolveu 108 pessoas que tiveram a doença de Parkinson por uma média de cerca de seis anos e 31 pessoas da mesma idade que não tinham a doença e consumiram cerca de duas xícaras de café por dia.

Seu sangue foi testado para cafeína e 11 subprodutos que o corpo produz ao metabolizar a cafeína. Eles também foram testados para mutações em genes que podem afetar o metabolismo da cafeína. O nível de cafeína era em média 79 picomoles por 10 microlitros para pessoas sem doença de Parkinson, em comparação com 24 picomoles por 10 microlitros para pessoas com a doença. No entanto, não foram encontradas diferenças nos genes relacionados à cafeína entre os dois grupos.



O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.