No terceiro debate, Hillary Clinton finalmente se tornou pessoal

A noite passada trouxe o terceiro e último debate presidencial deste ciclo eleitoral sem fim, e se o povo americano está esgotado nas últimas semanas desta corrida, são os indicados que parecem realmente desgastados.

Em muitos aspectos, o que aconteceu ontem à noite foi, na verdade, o debate mais semelhante a um debate que tivemos, um fato que devemos em grande parte a Chris Wallace, que trouxe para o processo uma determinação de aço e uma insistência na ordem que faltaram aos moderadores anteriores : as políticas foram discutidas, os indicados permaneceram, de um modo geral, no tema e os prazos foram, pelo menos em algum grau, observados. Era positivamente civilizado, exceto pelas muitas maneiras em que não era civilizado. O fato de ter parecido assim apenas mostra como as coisas têm sido brutais.

Wallace à parte, o debate deste debate parecia menos uma função da estratégia de qualquer um dos campos, e mais um da pura exaustão. Talvez tenha sido o cansaço que impediu Donald Trump, que mal parecia capaz de manter os olhos abertos, de se lançar em suas travessuras mais teatrais (embora ele certamente tivesse alguns momentos de escolha). E parecia ser a fadiga, ou pelo menos a exasperação terminal, que finalmente quebrou a personalidade de campanha impenetravelmente robótica de Hillary Clinton.

Foi-se o alegre otimismo forçado de “Quando eles vão para baixo, nós vamos para o alto”; em seu lugar, uma ironia crua e nervosa. É o que um dos meus colegas em um bate-papo em grupo à noite de debate apelidou de 'DGAF Hillary'.

Você, neste ponto, GAF? Vamos revisar o que a candidata democrática sofreu nos últimos 18 meses: ela foi chamada de mentirosa mil vezes; teve suas quatro décadas de serviço público demitidas e desacreditadas; teve seus e-mails de campanha furtados por hackers russos e publicados por um ciberanarquista maníaco com a intenção de mantê-la fora do Salão Oval a todo custo; ela foi culpada dez vezes pelos pecados de seu marido; foi atacado por contrair pneumonia; foi atacado por tentar fazer uma cara feliz enquanto estava com pneumonia; disseram que ela está morrendo; foi informada de que ela é responsável pelo nascimento do ISIS; viu seu oponente se gabar de seus planos de jogá-la na prisão; ouviu seu oponente parecer encorajar sua base maluca por armas a considerar atirar nela; tolerou a indignidade de finalmente conseguir uma chance na presidência, apenas para ser forçado a correr em uma corrida feia para o fundo contra um lunático delirante e delirante; e o tempo todo ela foi considerada um padrão radicalmente mais alto de apresentação, decoro, sensibilidade e responsabilidade do que o homem altamente desqualificado que faz tudo o que pode para arruiná-la (e possivelmente nossa democracia no processo).

Digite DGAF Hillary. Ela executou menos e possuiu mais. Ela parecia menos ensaiada e mais improvisada, apresentando pontos-chave da política e mensagens inteligentes e controlando o fluxo da conversa. Ela conquistou o tipo de zingers em que já desabou em debates anteriores (a economia 'engendrada por gotejamento' é o exemplo notório do qual riremos quando o destino do mundo como o conhecemos não estiver mais na balança ) Ela distribuiu queimaduras que deixaram Trump gaguejando idiotamente sobre fantoches e mulheres desagradáveis ​​e corrigiu corridas de Emmy.



Mas o mais importante, esta nova Hillary parecia menos rígida, menos afetada, mais emocional. Ela falou claramente e de coração. Isso parecia pessoal.

Foi o que sentiu quando ela convincentemente e apaixonadamente defendeu o apoioRoe v. Wadee justificou porque, como senadora, ela votou contra a proibição do aborto parcial por nascimento tardio. “Os tipos de casos que caem no final da gravidez costumam ser as decisões mais dolorosas e comoventes para as famílias tomarem”, disse ela enfaticamente. “Não acho que o governo dos Estados Unidos deva intervir e tomar as decisões mais pessoais.”

Pareceu pessoal quando ela falou sobre sua compaixão pela situação dos sírios, quando ela falou sobre ser assombrada pela foto do menino de 4 anos em Aleppo, com sangue escorrendo pelo rosto; quando ela sobriamente, com desgosto mal contido, descreveu Trump menosprezando as mulheres que o acusaram de agressão sexual ('ele vai atrás de sua dignidade, seu valor próprio, e eu não acho que haja uma mulher em qualquer lugar que não saiba qual é a sensação. ”); quando ela expressou seu desânimo com a recusa 'horrível' de Trump em concordar em defender os resultados das eleições, quaisquer que sejam, e sua longa história de insistir que suas perdas foram resultado de um sistema fraudado. “Esta é uma mentalidade,” ela pronunciou. “É assim que Donald pensa. E é engraçado, mas também muito preocupante. Não é assim que funciona a nossa democracia ”.

Sentíamos que estávamos tendo um vislumbre da verdadeira Hillary, a amiga de quem seus amigos falam, a mãe de quem Chelsea fala, a esposa de quem Bill fala. Ela parecia menos a figura de proa de suas camisetas de campanha, a política de carreira esbanjadora de retórica no toco e mais o ser humano descrito por Rebecca Traister na primavera passada emNova yorkrevista: “Seu círculo íntimo afirma vê-la - vê-la realmente e realmente gostar dela - todos os dias. Dizem que ela é tão diferente cara a cara, engraçada, calorosa e devastadoramente inteligente. É difícil para as pessoas que a conhecem compreender por que o resto da América não consegue ver o que eles fazem. ” Ou esta parte, também de Traister, que me veio à mente enquanto eu observava Hillary subir ao palco em seu macacão branco de gola Nehru: “Hoje em dia, penso nela como o General Leia: Não é mais uma princesa rebelde, ela fez uma paz irônica com seu companheiro libertino e seu cabelo controverso e está trabalhando duro, montando uma campanha contra a fascista Primeira Ordem. ”

Então: Em exaustão veritas? Foram necessários três exaustivos debates nas eleições gerais, meses e meses de campanha, um ataque quase interminável de Trump e seus desprezíveis comparsas, mas parece que Hillary Clinton está finalmente nos deixando entrar, mostrando-nos um pouco mais de si mesma. Na noite passada, ela baixou a guarda e nos deu uma olhada, não para a mulher que está concorrendo à presidência, mas para a mulher que, com alguma sorte,serPresidente.

Assista Kendall Jenner, Hailey Baldwin, Michael Kors e outros exibindo seus movimentos de votação: